segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Startup Entrevista - Kekanto


Desta vez o Startup Diário conseguiu conversar com um dos fundadores de um negócio que está crescendo cada dia mais rápido e hoje já chega aos 5 milhões pageviews por mês. O entrevistado foi Fernando Okumura do Kekanto, o Yelp brasileiro.

Sua idéia surgiu quando Fernando Okumura e Bruno Yoshimura estavam lidando com empresas de construção civil e descobriram que não havia uma forma simples e confiável de saber se aquelas empresas eram boas prestadoras de serviços e suas principais características para os consumidores. Foi aí que eles resolveram montar o Kekanto, para suprir essa necessidade de conhecer a avaliação das pessoas sobre os mais diversos  estabelecimentos  e melhorando a interação entre os consumidores para que haja de fato uma forma de recomendação confiável.

Apesar de inicialmente projetado para que avaliassem os projetos de construção civil, eles notaram que não havia praticamente nenhuma elevação de custos se quisessem disponibilizar para a avaliação de serviços de outros segmentos, então aí resolveram começar a melhorar a ferramenta e atender ainda mais as necessidades e desejos dos usuários. Desde então, parece que o público aderiu e viciou na dinâmica do Kekanto (eu mesmo comecei há um mês atrás e já escrevi pelo menos uma opinião por semana).

Modelos de negócios replicados

O Kekanto serve como uma rede social  e site de avaliação de produtos e serviços alimentado pelo crowdsourcing, ou seja, a multidão de usuários faz a rede ser cada dia mais completa. E pra ficar melhor ainda com um pouco de gamification, já que os usuários ganham pontos e escudos (como se fossem os badges do Foursquare) e disputam uns com os outros.

Modelo semelhante a este já existia em outros países, como o famoso Yelp e outros como Qyte e Citysearch, mas mesmo assim os garotos resolveram empreender e criar sua startup por perceberem que este modelo de startup ainda não tinha destaque no Brasil e que estavam caindo no gosto dos brasileiros. Aliás, os atuais usuários do Kekanto já podem acessá-lo nos mais diversos dispositivos móveis, como iPhone e Android ou simplesmente navegando na versão mobile do site.

Isso me lembra de mencionar, que o Brasil ainda está muito mal explorado tecnologicamente falando, principalmente no que diz respeito a serviços de internet e inovação. Mesmo sabendo que a demografia, a cultura e barreiras fiscais e estruturais dificultam esse processo, acredito que, assim como o Kekanto ou o Catarse, muitos outros modelos de negócio podem ser ainda replicados no Brasil, melhorando a qualidade de vida das pessoas e a interação entre elas.  Não tenha medo de empreender só porque sua idéia já existe, o importante é ter paixão por ela e coragem e capacidade de executá-la.

Investimento e empreendedorismo

Durante cerca de um ano e meio Fernando e Bruno fizeram bootstrapping do Kekanto, ou seja, todos os recursos financeiros e de tempo investidos foram seus recursos pessoais, o que provavelmente fez com que eles valorizassem cada centavo gasto para que fosse gasto da melhor forma possível.

Recentemente o Kekanto atraiu investidores bem alinhados com os objetivos da empresa, como Vinicius Marchini, sócio do banco de investimento BRPartners,  e o CEO do Groupon, Florian Otto. Notícia esta que provavelmente dará um gás maior para que o negócio continue ganhando mercado e número de usuários.

Notem que ao buscar um grupo de investidores para investir na sua startup, estes investidores devem estar bem alinhados com os objetivos de expansão dos empreendedores, pois ser empreendedor não significa independência no trabalho e nas suas decisões como muitos pensam. Muito pelo contrário, já que você tem que prestar contas diretamente aos investidores, saber lidar com as pequenas discordâncias que acontecem entre os sócios e ainda saber que sua vida financeira depende disso. No final você não tem apenas um chefe, mas muitos.


Sugestão de Livro para Empreendedores

A sugestão de Fernando são dos livros da série Pai rico, paipobre, neste caso ficou como sugestão o livro “Aposentado Jovem e Rico”.

Ambos os livros falam sobre como se “relacionar com o dinheiro” de forma que ele não seja a centralidade e os objetivos principais das suas ações, mas que ele seja a conseqüência de boas atitudes empreendedoras. São ambos livros que levam a quem o lê aprender a ter disciplina financeira.

O modelo do Kekanto me lembra um outro caso de empreendedorismo brasileiro, o do Guidu, nas devidas proporções é claro.

Bem, espero que tenham gostado. E se você tem um negócio, uma idéia ou qualquer outra coisa ligada a empreendedorismo não hesite em nos mandar um email contando (contato@startupdiario.com.br).

Um abraço!

1 comentários:

Obrigado pela matéria Alex! Esse é um belo livro que o Fernando me indicou quando estávamos começando o Kekanto!

Postar um comentário

Compartilhe conosco sua experiência empreendedora ou envie-nos suas dúvidas e sugestões.

Se você tem vergonha de seu comentário ou de sua idéia, por que acha que nós nos orgulharíamos em publicá-la? Então, por favor, não seja anônimo.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More